Pesquisar neste blog

Grupo no Facebook               Grupo no Telegram               Grupos no Whatsapp

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Downloadeando - Espetáculo 'All You Need is Love'

Fernando Castelo Branco, vulgo Fernando Kafila, é um sábio. No alto de sua careca desenvolvida a muito suor e trabalho na tentativa de fazer com que os seus projetos autorais (uns de meu agrado, outros, na maioria, não) fossem reconhecidos disse uma das frases mais geniais sobre as bandas piauienses que se rendiam ao comodismo de tocar música dos outros: "Tocar cover é gozar com o pau alheio", enfim, a frase é auto-explicativa. Nunca fui um admirador de covers, sempre acreditei que valeria mais a pena sair de casa pra ouvir bandas com trabalhos próprios do que ver grupos de jovens acomodados que se rendem a simplicidade de tocar a música dos outros e ter mais espaço na noite do que quem tem muito estresse compondo, trabalhando, divulgando e tentando viver do próprio trabalho. Só que o que estamos falando hoje aqui é algo diferente de tudo que já vimos, não estamos falando de caras que sobem no palco, tocam um cover mal ensaiado e saem rindo com o dinheiro arrecadado, estamos falando do melhor cover de Beatles do mundo.

O projeto 'All You Need is Love' trata-se muito mais do que um cover, é uma recriação minuciosa, criteriosa e meticulosa do que eram os Beatles desde os sombrios shows em Hamburgo até aos últimos acordes do Let it Be. O público será convidado a uma viagem por todo universo 'beatlemaníaco', uma interpretação fiel e realista do que eram os garotos de Liverpool, como uma apresentação teatral disfarçada, um musical.

Representando estão Sandro Peretto (Lennon), Cesar Klies (McCartney), Thomas Aques (Harrison) e Renato Almeida (Starr), todos completamente incorporados nas personagens, desde o fato de falarem somente em inglês com sotaque britânico tradicional dos guetos de Liverpool a usar as reais personalidades dos Beatles: César aprendeu a tocar baixo para canhotos como Paul McCartney, Sandro usa do sarcasmo freqüente de Lennon e se aproveita de um timbre de voz incrivelmente igual ao do Beattle, Renato conta piadas, fala muito e ri com o bom humor característico de Ringo Starr e Thomas permanece calado, introspectivo e tecnicamente tímido, como era George Harrison nos palcos.

A preocupação é total, vai desde os sapatos psicodélicos fabricados no mesmo sapateiro que fez os originais da fase 'abstrata' dos Beatles ao uso dos mesmos instrumentos, desde as baterias Ludwing que nem são mais fabricadas e eram usadas por Ringo Starr, os baixos Rickenbacker da fase 'iê-iê-iê', as guitarras Fender com os mesmos detalhes e timbes, até o famoso piano com cores psicodélicas usado por McCartney no 'Magical Mistery Tour'. O espetáculo se preocupa tanto com a semelhança que até George Martin, produtor dos Beatles e grande responsável pelo sucesso dos rapazes, é representado por alguém durante a apresentação.

A troca de figurinos, instrumentos, cabelos, barbas e bigodes é feita de acordo com a cronologia das músicas e vai desde os terninhos e cabelos bem penteados do 'With the Beatles', passando pelas roupas coloridas e psicodélicas do 'Sgt. Peppers Lonely Heart Club Band' até a fase final, já com as roupas com influências indianas, cabelos longos, calças boca-de-sino, barbas e bigodes do 'Abey Road'. Com direito a corais, orquestras e usos perfeito de todos os artifícios que foram usados pelos Beatles pra tocar desde de 'A Hard Days Night' até as viagens de 'While my Guitar Gently Weeps' cantada por Thomas Aques.

O projeto é o único com permissão de tocar as músicas dos Beatles na América Latina, tendo feito diversos shows no Cavern Club (um dos primeiros PUB's onde os Beatles tocaram) recebendo elogios emocionados de Allan Williams, primeiro empresário dos Beatles e do velho Dave Jones, dono do estabelecimento. Também tiveram a honra de ser convidados para gravar no estúdio Abey Road, além de tocar para mais de 100.000 pessoas em Liverpool no encerramento da convenção anual dos Beatles.

Enfim, este espetáculo transcende totalmente os limites de o que é um cover ou o que é um trabalho autoral, é algo surreal, uma apresentação teatral que tem como objetivo levar o público ao limite do fato de estar presenciando algo que raríssimos brasileiros tiveram a honra de ver já que o 'fab four' nunca se apresentou em terras tupiniquins.

Deixo com vocês uma prévia do DVD do espetáculo que, resumidamente, traz alguns trechos de músicas tocadas pelos integrantes do projeto para atiçar a vontade dos ouvintes e, quem sabe, convencer alguns. Enfim, sem mais, fiquem com o vídeo



Ps1: O Agenda The agradece o apoio dos organizadores do espetáculo ao nosso humilde e insignificante trabalho de levar mais informação sobre a noite teresinense.

Ps2: Siga-me em @willameee.

4 comentários

LUIZ GUSTAVO OLIVEIRA disse...

Willame,
Excelente seu texto. Conseguiu exprimir a sensação que temos diantes desse espetáculo. Participei da produção desse maravilhoso espetaculo trazido a Teresina pelo meu brilhante amigo Napoleão. Não encontrei até o momento alguém que não tenha ADORADO o que viu.
Vou clipar sua matéria e enviar pra banda.
Um grande abraço,

Luiz Gustavo - TVG MIDIA DIGITAL

Willame Figueredo disse...

Muito obrigado, Luiz.

O que eu vi ao vivo foi algo muito além do que pude escrever no dia anterior, parabéns pela organização e parabéns ao Napoleão pela ousadia.

E obrigado, novamente, pelos elogios!

Julio disse...

Obrigado Luiz.

Foi algo muito bonito.

Adriana disse...

Excelente seu texto. É lindo de ler. Obrigado pelo trabalho

Postar um comentário