sexta-feira, 1 de julho de 2016

A Farsa da Boa Preguiça - Teatro 4 de Setembro - 13 de Julho


SINOPSE

A peça Farsa da Boa Preguiça narra às peripécias do poeta e cantador de cordel pobre e preguiçoso Joaquim Simão, que só pensa em dormir. Escrita em 1960 e dividida em três atos se baseia em histórias populares nordestinas em um estilo cordelista. O autor se serve da oposição entre os personagens, dos conflitos de situação gerados por esta oposição para dar o tom dramático da peça. Sempre dando características específicas a cada personagem, Suassuna traça um retrato dos dois casais que protagonizam a obra: Simão e Nevinha, Aderaldo e Clarabela. Joaquim Simão é casado com Nevinha, mulher religiosa e dedicada ao marido e aos filhos. Dotado de uma grande capacidade de criação associada a um humor espontâneo e debochado, não deixa de revelar quase um devotamento a sua mulher. Aderaldo representa o burguês lascivo que quer a todo custo possuir a esposa de Simão. Ele tenta seduzi-la, inúmeras vezes, com a promessa de bens materiais. Clarabela, casada com Aderaldo, é uma falsa intelectual, fútil e lasciva. O que os aproxima, pois são desejos que representam uma vontade obstinada de ascensão social, numa sociedade materialista que não vê e não considera senão o lado aparente das coisas. Três demônios fazem de tudo para que o pobre casal se renda a tentação e caia no pecado, enquanto dois santos tentam intervir. Jesus observa e avalia tudo. A partir daí, situações inusitadas e muito divertidas fazem deste texto uma das obras primas do teatro brasileiro.
FICHA TÉCNICA:
Texto original: Ariano Suassuna
Professor orientador(a): Emanuelle Vieira
Adaptação e encenação: Emanuelle Vieira e Ederval Leandro
Preparação vocal: Vanda Queiroz
Figurino e cenários: criação coletiva
ELENCO:
Franfilho Rodrigues – Manuel Carpinteiro
Addemir Costa – Pedro Simão
Lukar de Sousa – Aderaldo Catacão
Emanuelle Di Angele – Clarabela
Geirlys Silva – Joaquim Simão
Raylane Chaves – Nevinha
Mayra Sousa – Andressa cancachorra
Elismar Junior – Fedegoso

Seja o primeiro a comentar.

Postar um comentário